Instalação da FASE 4 do SPRACE

São 5 servidores, 16 workernodes e um switch.
A Fase 1 será aposentada e os servidores utilizados para outras finalidades.
Os servidores do SPRACE serão migradas para os novos servidores SGI. A distribuição a ser utilizado é o CentOS 5.5.

Disposição do Rack SGI

Os servidores estão posicionados de cima para baixo com os respectivos hostnames e endereços internos:

Definição dos endereços IP

  • Interface Interna 192.168.1.X
  • Interface Gerência 192.168.2.X - configurado como estático na bios (= ilom)
  • Interface Externa a definir

As interfaces interna e de gerência possuem o mesmo endereço do host.
Ex. : 192.168.1.164 e 192.168.2.164 para interfaces interna e gerência respectivamente.

Hostname eth0 eth1 eth2 eth3
ACCESS 0 0 192.168.1.164 0
SPSERV02 0 0 192.168.1.165 0
SPSERV01 0 0 192.168.1.166 0
CE 0 0 192.168.1.167 0
SE 0 0 192.168.1.168 0

Nos servidores foram instaladas placas de 10G/s

Particionamento dos servidores

Os HDs da máquinas todas vieram particionadas com GPT para reconhecer partições de mais de 2Tera.
Para instalar o CentOS é preciso primeiro desfazer o GPT utlizando o fdisk(comandos: o, w) assim a instalação prossegue normalmente.

Distribuição de Serviços

OSG_CE

  • gatekeeper
  • condor (scheduller + negotiator + collector)

SE

  • dcacheadmin

SPSERV01

  • Proxy
  • RSV
  • Ganglia
  • SNMP proxy

SPSERV02

  • LDAP
  • DNS
  • NTP
  • NFS /home /OSG_ /opt rootnode
  • NAT (dnsmasq)
  • syslog
  • PXE (HDCP+ TFTP)

SPSTRG[01-03]

  • dcache poll sptrg[01-03]

Todos os servidores estão cofigurados com ssh e fail2ban.
O fail2ban está disponível para centos apartir do repositório EPEL

WORKERNODES

Os workernodes estão ordenados fisicamente iniciando a numeração de baixo para cima e esquerda para direita.
Desta forma, os workernodes da esquerda possuem numeração ímpar e os da direita possuem numeração par.

MacAddress Hostaname
00:30:48:F3:50:70 node001
00:30:48:F3:51:16 node002
00:30:48:F3:4A:5E node003
00:30:48:F3:51:7A node004
00:30:48:F3:51:1E node005
00:30:48:F3:52:38 node006
00:30:48:F3:51:12 node007
00:30:48:F3:50:F8 node008
00:30:48:F3:52:1E node009
00:30:48:F3:52:44 node010
00:30:48:F3:51:34 node011
00:30:48:F3:52:10 node012
00:30:48:F3:52:04 node013
00:30:48:F3:F3:51 node014
00:30:48:F3:48:B6 node015
00:30:48:F3:48:B4 node016

Workernodes boot do CentOS

Uma vez com o DNSmasq e o PXE instalados partimos para a instalação do root node.

O root node está no spserv02 : /nodes/prodution e pode ser instalado por meio de 2 opções:

1) Fazer instalação em um node e depois compactar com tar.
Proced: /proc e /dev devem ser montados com mount -o bind e depois fazer um tar no raiz.

2) Fazer instalação básica do Centos direto no root node.

INITRD

Depois de instalado o root node queremos logo dar um boot em um nó, porem o initrd de instalação do Centos não pode ser o mesmo para bootar um node. O INITRD deverá ser personalizado.

o script INIT localizado em spserv02/nodes/tftp/initrd.three/initrd.x/init foi baseado em http://www.evolware.org/chri/hopeless.html

AUFS

A forma mais fácil é usar um src.rpm que o Scientific Linux criou. http://www.livecd.ethz.ch/download/SRPMS/5x/ , pacote aufs-0.20090202.cvs-6.sl5.src.rpm

# rpmbuild --recompile --target x86_64 --define 'kernel 2.6.18<>.centos.plus' aufs-0.20090202.cvs-6.sl5.src.rpm

o modulo ficará em /usr/src/redhat/BUILD/aufs-cvs-20090202/aufs.ko

Para compilar o kernel serão necessários os pacotes kernel-header, kernel-devel e o rpm-build

-- AllanSzu - 02 Aug 2010

Topic revision: r3 - 2010-08-06 - AllanSzu
 

This site is powered by the TWiki collaboration platform Powered by PerlCopyright © 2008-2023 by the contributing authors. All material on this collaboration platform is the property of the contributing authors.
Ideas, requests, problems regarding TWiki? Send feedback

antalya escort bursa escort eskisehir escort istanbul escort izmir escort